Cartaz de cinema

Cientologia aconselhou John Travolta a não aceitar papel em "Pulp Fiction"

Publicado em 23 Jan. 2017 às 12:17, por , em Notícias de cinema (Temas: Celebridades)

Cientologia aconselhou John Travolta a não aceitar papel em "Pulp Fiction"

O ator John Travolta deu a ler o argumento de "Pulp Fiction" a Mike Rinder, na altura um destacado membro da Igreja da Cientologia, e pediu-lhe conselho sobre se deveria aceitar o papel que Quentin Tarantino lhe oferecera.

A revelação surgiu pela boca do próprio Rinder no mais recente episódio do programa de televisão "Scientology and the Aftermath", com a atriz Leah Remini, transmitido nos Estados Unidos pelo canal A&E. Rinder, outro "arrependido" da Cientologia, afirma que Travolta lhe pediu para ler o argumento de "Pulp Fiction" e para o aconselhar sobre se deveria aceitar o papel proposto pelo realizador Quentin Tarantino. "John, não creio que devas fazer isto" - terá dito Rinder na altura, relembrando que em causa estava a personagem de um assassino toxicodependente.

No fim de contas, Travolta ignorou a apreciação de Rinder, interpretou Vincent Vega, foi nomeado para um Oscar e viu a sua carreira ganhar um novo fôlego.  

Em dezembro de 2016, numa curta entrevista ao E!News na passadeira vermelha dos Critic Choice Awards, quando questionado pelo jornalista sobre se já tinha visto o programa, John Travolta respondeu "Nah, não estou interessado". Quando lhe perguntaram a razão disse: "Porque [a Cientologia] só me tem ajudado ao longo de 40 anos; ajudou-me a ultrapassar todas as minhas perdas - a minha mãe, a minha namorada, o meu filho. Nunca deixaram de estar a meu lado. Se assim é, porque razão daria crédito a algo que afirma o oposto daquilo em que acredito?".

Atriz desde criança, com participações em séries como "Who's the Boss?" e "Cheers", Remini foi levada para a Igreja da Cientologia pelos pais, quando tinha nove anos. Durante três décadas manteve boas relações com a cúpula da organização e transformou-se num elemento ativo do culto criado por L. Ron Hubbard até - de acordo com a própria - ter feito as "perguntas erradas" e começado a sentir-se cada vez mais desiludida com as chefias, sobretudo com o CEO David Miscavige, que considera corrupto, e Tom Cruise, o mais conhecido membro e defensor da Cientologia.  

A rutura definitiva aconteceu em 2013. Pouco tempo depois publicou o livro de memórias "Troublemaker: Surviving Hollywood and Scientology" onde relata a perseguição e humilhação a que foi submetida enquanto fazia parte da igreja. Em novembro de 2016 estreou a série documental no A&E que prentende não só dar voz às experiências negativas de Remini, mas também encorajar outros a falar.

Criada em 1953 pelo escritor de ficção científica L. Ron Hubbard, a Cientologia é um intrincado sistema de doutrinas e práticas que visam a descoberta e melhoria pessoal. Mistura espiritualismo e toda uma galeria de coloridas crenças na visita de civilizações extraterrestres, pontuada por rituais e técnicas de purificação. Em Hollywood, além de Travolta e Tom Cruise, esta organização conta com nomes como Juliette Lewis, Danny Masterson, Jenna Elfman, Kirstie Alley, Jason Lee, Michael Peña, ou Elisabeth Moss.