Cartaz de cinema

Best-seller brasileiro "Rota 66" adaptado ao cinema

Publicado em 27 Mai. 2018 às 17:54, por , em Notícias de cinema (Temas: Primeiro olhar, Cinema da América-Latina)

Best-seller brasileiro "Rota 66" adaptado ao cinema

A chegada ao grande ecrã do livro de Caco Barcellos sobre os esquadrões da morte da polícia militar de São Paulo, terá estreia em 2020.

"Rota 66", adaptação do best seller do renomado jornalista de investigação Caco Barcellos, será realizado por Fernando Coimbra ("Castelo de Areia" e "O Lobo Atrás da Porta"), com argumento de Patrícia Andrade ("2 Filhos de Francisco" e "Gonzaga – De Pai para Filho") e produção de Gustavo Mello e Eduardo Piagge. A película, produzida pela Boutique Filmes, tem estreia prevista em 2020, com as filmagens a começarem ainda  em 2019.

É a primeira vez que o livro é adaptado ao cinema após a sua publicação, em 1992.

Vencedor do prémio Jabuti (um dos mais prestigiados galardões literários brasileiros) em 1993, o enredo do livro "Rota 66" é o resultado de sete anos de rigorosa investigação por parte de Caco Barcellos sobre os "matadores" que atuavam dentro da ROTA, uma unidade de elite da Polícia Militar de São Paulo, e que contavam com a conivência do governo, da Justiça Militar e da imprensa.  

Caco Barcellos, atualmente no ar com a 12ª temporada do programa "Profissão Repórter", na Rede Globo, estará diretamente envolvido na produção como consultor. O filme vai expandir o conteúdo do livro, mostrando os bastidores da investigação pelo ponto de vista do repórter.

"Acho que é obrigação do repórter retratar o que acontece nas ruas com a maioria da população, não o universo da minoria. Eles têm que ter voz ativa. Quando eu comecei o 'Rota 66', queria mostrar o absurdo que é um país contrário à pena de morte praticá-la todos os dias contra os bandidos, mas, após sete anos de investigação, eu constatei que a violência não se dava contra os bandidos, e sim contra os pobres", afirma Caco Barcellos.

"Rota 66" será a estreia da Boutique Filmes nos projetos de longa-metragem de ficção após ter inaugurado o seu departamento de cinema com o documentário "Cartas para um Ladrão de Livros". A produtora foi responsável pela primeira série original da Netflix no Brasil, "3%", cuja segunda temporada já está disponível na plataforma.