Cartaz de cinema

"Tenet" nas palavras de Christopher Nolan e dos seus atores

Publicado em 19 Ago. 2020 às 14:57, por filmSPOT, em Notícias de cinema (Temas: Elenco, Bastidores)

"Tenet" nas palavras de Christopher Nolan e dos seus atores

Realizador, produtores e elenco falam sobre o filme e acrescentam algumas pistas a uma história que continua envolta em segredo.

A sinopse é curta e vaga. Sabemos que "Tenet" mexe com o tempo - é usado o termo "inversão" -, sem outras explicações. É referida uma intriga de espionagem internacional e um Protagonista - assim mesmo, com maiúscula - que integra uma organização secreta e tem a missão de salvar a humanidade.

O próprio filme também tem uma missão, involuntária, mas rapidamente assumida pelo realizador. Para Christopher Nolan, "Tenet" será o salvador da exibição cinematográfica tradicional, a que leva o espectador a sair de casa para se sentar numa sala com desconhecidos a ver o filme num grande ecrã e com um sofisticado sistema de som.

Se conseguir chamar as pessoas da era pós-COVID de volta aos cinemas, "Tenet" será o herói deste verão das máscaras, do álcool gel e da etiqueta respiratória, da distância social e da falta de blockbusters. Poderá também olhar com desdém para a Disney, que transferiu "Mulan" para o streaming da Disney Plus. Se falhar, as mudanças que já estão a acontecer assumirão contornos apocalípticos de que o modelo tradicional de exploração cinematográfica dificilmente recuperará.

Mas exploremos a fundo o que se sabe sobre "Tenet", tendo como base as notas de produção reveladas hoje pela Warner Bros. Nelas se lê como Christopher Nolan é mestre em mudar a percepção da maioria das pessoas em relação ao tempo, normalmente visto como uma dinâmica inalterável da nossa existência. Nas mãos de Nolan, o tempo torna-se maleável, capaz de ser dobrado, torcido, justaposto... ou invertido, como refere a tal breve sinopse.

Sobre o processo de abordagem ao tempo em "Tenet", diz Nolan que o argumento: "pega nos conceitos de tempo e de como o vivemos, e soma-lhe componentes de ficção científica e elementos clássicos do filme de espionagem."

Nolan revela que "Tenet" era uma ideia que lhe rodava na cabeça há algum tempo: "Creio que, como cineasta, temos um conjunto de ideias - coisas no fundo da gaveta que podem levar décadas a concretizar. Tem de estar tudo alinhado. Para mim, foi uma combinação de querer voltar a um entendimento mais amplo de cinema, após "Dunkirk" e levar o público ao redor do mundo a locais onde jamais estivemos. Também senti que estava pronto a enfrentar o género de espionagem, algo que sempre tive a intenção de fazer. Cresci a amar filmes de espionagem, é um ramo da ficção muito divertido e emocionante. Mas não queria fazer o filme a menos que sentisse que poderia trazer algo de novo. A maneira mais simples de explicar a nossa abordagem é dizer que o que fizemos com "Inception" para os filmes sobre assaltos é o que "Tenet" tenta trazer para os filmes de espionagem."

Emma Thomas, que se associou a Nolan para produzir o filme, comenta: "'Tenet' foi tão desafiador, penso que não teríamos sido capazes de realizá-lo há dez anos. Por isso, sinto que esta história surgiu na mente do Chris na hora certa. Este não é apenas o filme de mais ambicioso que Chris fez do ponto de vista da produção, mas também na maneira como ele levou a narrativa além dos limites do que fez no passado. Quando olhamos para a sua trajetória, parece que cada filme foi construído sobre o último. Portanto, este filme é, decididamente, um produto de muitos anos de experiência."

Tenet

John David Washington, a estrela do filme no papel da personagem conhecida apenas como o Protagonista, diz que "no cerne do argumento está um homem que tenta salvar o mundo", mas acrescenta que o enredo também explora algumas  percepções profundas. "O filme desafia as formas tradicionais de interpretar o tempo, de observar a realidade, os nossos comportamentos aprendidos".

"Há muitas coisas a acontecer. Nunca tinha lido ou visto nada parecido." Thomas observa que, de alguma forma, todos partilham o fascínio de Nolan pelo tempo. "Somos todos um pouco obcecados com o tempo, não é? É algo que, seja quem for, de onde quer que seja, qualquer que seja a sua experiência de vida, sabe que não pode fazer nada em relação à passagem do tempo. É algo que nos governa. Não posso falar pelo Chris, mas esta é minha perspectiva sobre o assunto. É interessante, o tempo é universal, mas também é algo que sentimos subjetivamente. As crianças sentem o tempo de maneira muito diferente dos adultos."

Curiosamente, verifica-se que a noção de inverter o tempo não está fora do reino das possibilidades para os físicos modernos. É algo ligado à lei da entropia, que, em termos básicos, afirma que todas as coisas tendem para a desordem.

Explica Nolan: "cada lei da física é simétrica - pode avançar ou retroceder no tempo e ser a mesma - excepto a entropia. A teoria é que, se pudéssemos inverter o fluxo de entropia de um dado objeto, poderíamos inverter o fluxo do tempo desse objeto. Por isso, a história é baseada em física credível. Pedi ao (físico) Kip Thorne que lesse o argumento e ele ajudou-me com alguns conceitos, embora não cheguemos ao ponto de defender que a história seja cientificamente precisa. Mas é baseada na ciência real. "

Acerca da grandiosidade da produção, o realizador justifica-se dizendo que é a única maneira pela qual facetas específicas da história poderiam ter sido realizadas.

"O que acontece com a câmara é que ela realmente vê o tempo. Antes de a câmara cinematográfica existir, não havia como as pessoas conceberem coisas como câmara lenta, ou reversa. Assim, o próprio cinema é a janela do tempo que permitiu a concretização deste projeto. É literalmente um projeto que só existe porque a câmara de cinema existe."

No entanto, a capacidade singular da câmara para retratar variações temporais não seria suficiente. O diretor sabia que realizar a sua visão exigiria "um conjunto de regras que não eram tão simples como inverter a câmara, ou colocar as coisas em marcha-atrás. Existe uma interação entre o movimento do tempo e o ambiente em que estamos: como as coisas se movem ao nosso redor e até mesmo com o ar que respiramos.

A noção de inversão é assimétrica, então o conjunto de regras era complicado e tinha de ser tratado de formas mais complexas. Isso significava uma variedade de técnicas, desde elenco os duplos serem capazes de realizar cenas de luta e correr e caminhar em diferentes direções, até veículos que se dirigiam para frente ou para trás em várias configurações para que pudéssemos, plano a plano, mudar completamente a técnica que estávamos a usar para criar o visual específico. Algo que aprendemos ao longo dos anos: se podemos usar uma variedade de técnicas que permitem continuar a mudar o truque que estamos a usar, torna-se muito mais difícil manter o público envolvido no filme."

Para amplificar essa experiência imersiva de ir ao cinema, Nolan voltou a filmar com câmaras IMAX de grande formato: "Trabalho há anos com o formato IMAX. Tem o poder extraordinário de transportar o público para a história. Com uma história tão divertida e divertida como esta tenta ser, sentimos que era preciso levar o público a dar um passeio."

Tenet

Kenneth Branagh, que interpreta Andrei Sator, trabalhou com Nolan em "Dunquerque" e comenta: ""Tenet" é um thriller de arrepiar os cabelos de um cineasta extraordinário. Julgo que o Chris combina algumas coisas com o público. Uma é entretê-los de maneira absoluta e positiva. Mas combina fazê-lo com inteligência e paixão."

"Este filme não poderia ser mais de Chris Nolan do que isto", acrescenta Robert Pattinson, cuja personagem, Neil, está associada ao Protagonista. "Há uma visão tão singular em cada um dos seus filmes e este foi um feito espetacular em todos os sentidos. É incrível. Não há literalmente nada comparável. "

A filmagem de "Tenet" levou cineastas, elenco e equipe técnica a sete países:Estónia, Itália, Índia, Dinamarca, Noruega, Reino Unido e Estados Unidos. Nolan diz que a natureza global da filmagem condiz com a história. "O componente internacional de" Tenet "é muito importante porque se trata de uma ameaça para o mundo inteiro - para a existência como um todo - e essas apostas são essenciais para o drama. Então, penso que ter essa sensação global é crucial para o ritmo do filme e para a construção do seu âmbito e escala. "

Há muito que Nolan prefere capturar a ação na câmara e evitar o recurso à tela verde em favor de cenários reais, contando mais com efeitos especiais do que visuais. "Gosto de confundir os limites entre a imagem dos atores, as situações em que se encontram e os elementos mais improváveis do filme, seja um avião a cair contra um prédio, ou uma sensação de distorção do tempo. Se não existir divisão entre o fantástico e a base da personagem, acredito que se consegue um tom muito mais uniforme e ter o público mais envolvido. "

Tenet

A abordagem de Nolan também manteve os atores mais envolvidos. Elizabeth Debicki, que interpreta Kat, a ex-mulher de Sator, confirma: "É uma bênção como artista poder ver aquilo onde estás prestes a entrar e onde vais representar. Houve momentos em que percebi como era extraordinário estar ali, e suponho que foi extremamente útil. Como poderia não ser útil sentir o impacto de algo a abanar à tua volta, ou sentir o barco balançar? Por mais que o nosso trabalho seja representar, este método alimenta o realismo do desempenho."

"Tenet" chega às salas de cinema portuguesas na próxima quarta-feira, 26 de agosto.

Curtas Vilda do Conde 2020