Cartaz de cinema

Morreu Stan Lee, o lendário fundador da Marvel Comics

Publicado em 12 Nov. 2018 às 23:14, por , em Notícias de cinema (Temas: Obituário)

Morreu Stan Lee, o lendário fundador da Marvel Comics

Stanley Martin Lieber, mais conhecido para o mundo como Stan Lee, faleceu hoje de manhã, aos 95 anos, em Los Angeles, após um internamento de urgência no Centro Médico Cedars-Sinai.

Nascido em Nova Iorque, numa família de imigrantes romenos, Stan Lee começou a carreira no mundo da banda desenhada de forma muito modesta. Por intermédio de um tio, foi "moço de recados" para a Timely Comics, em finais dos anos 30, desempenhado tarefas como comprar o almoço para os funcionários da empresa, encher tinteiros, ou apagar marcas de lápis nas pranchas para impressão.

Durante essa experiência, Lee inspirou-se nos géneros trabalhados na Timely Comics: westerns, policiais e romances negros, que se afirmaram nos anos de 1929/30, no cinema e na literatura popular norte-americana.

Em 1941, estreou-se como autor de banda desenhada, assinando o argumento de uma das histórias do Capitão América e publicada no volume "Captain America Comics #3". Entre as suas primeiras personagens, contam-se Blonde Phantom, Jack Frost, The Witness e Destroyer. Por essa mesma altura, adoptou oficialmente o nome de Stan Lee.

Contudo, foi apenas nos anos 50 que a sua carreira realmente arrancou. Juntamente com Jack Kirby e, mais tarde, em parceria com Steve Ditko (dois nomes históricos da banda desenhada norte-americana), Lee concebeu personagens como o Quarteto Fantástico, Hulk, Thor, Homem de Ferro, Homem-Aranha e o universo dos X-Men.

O estilo inovador de Stan Lee ficou, desde muito cedo, modelado nas suas criações de banda desenhada, através de super-heróis complexos e donos de fragilidades distintamente humanas, como a ira, a melancolia, ou a vaidade. Muito provavelmente, terá sido essa a chave para o sucesso e a adesão que as suas criações conheceram junto de públicos de todas as idades.

A partir dos anos 70 e até à atualidade, Stan Lee assumiu uma personalidade extravagante e o seu rosto tornou-se indissociável da marca que fundou. Essa realidade foi ainda mais evidente na transição dos seus super-heróis para o Cinema: em praticamente todos os filmes inspirados nas criações da Marvel Comics, Stan Lee contribuiu, para enorme gáudio dos fãs, com uma breve, e quase obrigatória, participação especial - ou cameo, como a indústria o designa - que um utilizador de YouTube tratou de compilar:

Considerado como um dos artistas norte-americanos mais ativos aos 90 anos de idade, Stan Lee continuou a trabalhar em diversos projetos independentes impressos e online, fundou a Stan Lee Media, protagonizou obras literárias e de televisão sobre o seu legado e, através da Stan Lee Foundation, financiou programas de apoio nas áreas de educação e literacia.

Em 2017, Stan Lee resumiu a sua carreira nestas palavras: "O que fiz, foi tentar escrever histórias que gostaria de ler e, de um modo ou outro, funcionou". No momento em que nos despedimos do "rosto" da Marvel, não custa aceitar que a sua paixão foi fundamental para o sucesso do império que ajudou a fundar e a consolidar.