Cartaz de cinema

Morreu George Segal

Publicado em 24 Mar. 2021 às 12:18, por António Quintas, em Notícias de cinema (Temas: Obituário)

Morreu George Segal

Com mais de cinco décadas no cinema e na televisão, foi um dos protagonistas masculinos de sucesso em Hollywood nos anos 60 e 70.

O ator George Segal morreu terça-feira de manhã, aos 87 anos, após complicações na sequência de uma intervenção cirúrgica para a colocação de um bypass cardíaco, anunciou a família.

Nomeado para um Oscar de melhor ator secundário por "Quem Tem Medo de Virginia Woolf?", de Mike Nichols, onde contracenou com Elisabeth Taylor e Richard Burton, o ator nascido em Long Island e descendente de judeus russos emigrados para a América do Norte, Segal iniciou carreira nos anos 60, com pequenos papéis em séries televisivas.

Em 1965, teve a primeira grande oportunidade no cinema ao protagonizar "Rei de Um Inferno" (King Rat), drama de guerra passado num campo de prisioneiros aliados na Malásia, durante a Segunda Guerra Mundial. Seguiu-se "Quem Tem Medo de Virginia Woolf?", um ano depois e, ainda em 1966, "Os Centuriões", outro filme de guerra, desta vez ambientado na Guerra de Independência da Argélia e ao lado de Anthony Quinn, Alain Delon e Claudia Cardinale, e "O Processo Quiller" (The Quiller Memorandum), de Michael Anderson, uma história de espionagem onde Segal interpretou a personagem que dá nome ao filme e onde trabalhou com Alec Guinness, Senta Berger e Max von Sydow.

Ainda na década de 60, foi chamado para protagonizar "Bye Bye Braverman", drama intimista de Sidney Lumet sobre a viagem de quatro intelectuais judeus para assistirem ao funeral de um amigo; "A estrela do Sul", de Sidney Hayers com uma mãozinha discreta de Orson Welles; e o regresso aos filmes de ação passados na Segunda Guerra Mundial em "A Ponte de Remagen".

A transição para um registo mais ligeiro começou a dar-se nos anos 70. Em "Where's Poppa?", de Carl Reiner; "O Grande Golpe" (The Hot Rock), de Peter Yates, com Robert Redford; "Amantes em Veneza" (Blume in Love), de Paul Mazursky (1973), ou "O Mocho e a Gatinha" (The Owl and the Pussycat), ao lado de Barbra Streisand; e "Brincando Com a Sorte" (California Split), de Robert Altman (1974). Ainda em 1974, interpretou um cientista informático em "O Homem Terminal", baseado no livro de Michael Chrichton; e em 1977 contracenou com Jane Fonda em "Adivinhe Quem Vem Para Roubar?" (Fun With Dick and Jane), nas desventuras de um casal de classe média que se dedica a assaltos para manter o estilo de vida.

Durante os anos 80, Segal sofreu com a habitual falta de papéis para atores de meia-idade. Após alguns fracassos de bilheteira, viu-se remetido às origens, ou seja, à televisão. Fez o circuito dos telefilmes medianos da época e colecionou participações em séries.

Desde 2013 integrava o elenco da comédia "The Goldbergs", onde interpretava o avô Alfred "Pops" Solomon.