Cartaz de cinema

Jessica Chastain não admite ganhar menos do que os seus colegas masculinos

Publicado em 18 Abr. 2017 às 20:02, por , em Notícias de cinema (Temas: Indústria cinematográfica, Cinema Norte-Americano, Bastidores)

Jessica Chastain não admite ganhar menos do que os seus colegas masculinos

Há muito que se fala das diferenças de salários entre homens e mulheres em Hollywood, mas o assunto tem surgido com maior frequência em tempos recentes. Um conjunto de atrizes passou a ser mais vocal nos protestos contra a discriminação de género na indústria cinematográfica e a imprensa local pegou no assunto com maior empenho.

Um desses exemplos saiu na mais recente edição impresa do Variety. Num número especial dedicado ao tema "O Poder das Mulheres", Jessica Chastain, atriz duas vezes nomeada para os Óscares (por "As Serviçais" e "00:30 A Hora Negra"), explica o método que usa para conseguir salários equivalentes aos dos homens.

Chastain explica como, no passado, não lhe faziam propostas em termos financeiros sem antes garantirem o protagonista masculino. Só depois, com o que sobrava, avançavam com um valor.

Relembra também como um dos momentos que a levou a impor-se com maior assertividade surgiu de uma frase de Amy Pascal, a ex-presidente da Sony Pictures, que disse ser parte do problema o facto de as mulheres recearem pedir mais, acrescentando que as atrizes devem deixar de agir como se estivesse agradecidas só pelo facto de terem trabalho.

Agora, a atitude de Chastain é diferente. Começa por recusar trabalhos onde lhe paguem menos. "Não permito isso na minha vida", afirma. E se alguém quer negociar com o protagonista antes de lhe apresentarem uma proposta concreta, a sua reação é imediata: "Adeus".

As grandes agências de talentos sabem quanto recebem os atores. Por isso, a atriz questiona sempre quanto lhe estão a propor em comparação com o colega masculino com quem irá contracenar. "Não quero estar em filmagens num sítio onde trabalho o mesmo do que os outros, mas onde eles recebem cinco vezes mais", diz Chastain.

Na mesma entrevista, Chastain revela como recusou há pouco tempo um grande projeto por estarem a tentar pagar-lhe menos do que aos atores masculinos. Para ela, é importante criar uma reputação e uma fronteira. Não vale a pena fazerem-lhe propostas desse género.

Jessica Chastain é uma das várias mulheres que têm protestado contra a descriminação de género no cinema e na televisão norte-americana. Um movimento informal que terá arrancado com mais vigor desde o discurso de aceitação do Oscar de Patricia Arquette, em 2015. Depois disso, Jennifer Lawrence escreveu um vigoroso texto a perguntar porque razão recebia menos dos que os homens, e Emma Stone referiu o mesmo problema na sua entrevista à Vogue por alturas de "La La Land".

Na televisão, Robin Wright ameaçou a Netflix se o seu salário em "House of Cards" não fosse igualado ao de Kevin Spacey e Viola Davis, protagonista de "How To Get Away With Murder" defendeu a causa do salário igual em declarações à Mashable, lembrando que a luta era ainda mais dura no caso das atrizes de ascendência africana.