Cartaz de cinema

Jessica Biel junta-se ao movimento anti-vacinas em Hollywood

Publicado em 13 Jun. 2019 às 13:00, por , em Notícias de cinema (Temas: Indústria cinematográfica, Celebridades, Bastidores)

Jessica Biel junta-se ao movimento anti-vacinas em Hollywood

Um grupo de políticos e celebridades insiste na luta contra a comunidade científica e o bom-senso.

Jessica Biel apresentou-se terça-feira na cidade de Sacramento, perante as autoridades do estado norte-americano da Califórnia, para impedir a aprovação de um projeto-lei do Senado que reduz as condições nas quais é possível pedir a isenção da toma de vacinas.

A atriz juntou-se ao político Robert F. Kenney Jr., líder de um grupo de pressão que defende que as vacinas são perigosas e desnecessárias.

As ideias anti-vacinas estão espalhadas entre os membros da indústria cinematográfica e ganharam tração sobretudo depois de 2007, quando Jenny McCarthy fez ouvir a sua voz contra a vacinação após o filho ter sido diagnosticado com autismo.

Outros nomes conhecidos que fazem parte do movimento anti-vacinas em Hollywood incluem Robert De Niro, Jim Carrey, Bill Maher, Selma Blair, Rosanna Arquette, Rachael Harris, Jenna Elfman e Alicia Silverstone. Também os que pertencem à Cientologia (outro centro de pressão contra as vacinas), como Kirstie Alley, ou Juliette Lewis, manifestaram publicamente a sua opinião.

Até o incontornável Presidente dos EUA opinou sobre o tema, em 2014...

Uma investigação do The Hollywood Reporter em outubro de 2014 descobriu que infantários em Malibu, Santa Mónica, ou Beverly Hills, algumas das zonas mais abastadas da Califórnia, onde reside grande parte das celebridades de Hollywood, apresentavam índices de crianças por vacinar semelhantes a países como o Sudão do Sul, ou o Chad.

O projeto-lei, proposto pelo Senador e pediatra Richard Pan e intitulado Senate Bill 276, é apoiado pela associação de médicos da Califórnia e pela secção californiana da Academia Americana de Pediatria. O seu objetivo principal é reduzir o número de isenções fraudulentas e manter o nível de imunidade necessário para impedir epidemias.

Pretende complementar outra lei, promulgada em 2016, que também visava o aumento da percentagem de vacinados.

Neste momento, os Estados Unidos enfrentam a maior epidemia de sarampo em 25 anos. A 6 de junho, o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) anunciava 1.022 casos, espalhados por 28 estados, e apontava a responsabilidade às campanhas anti-vacinas que insistem em espalhar o medo apesar da total falta de provas.

A comunidade científica e organismos estatais tem-se desdobrado em esforços para informar o público acerca da segurança das vacinas.