Cartaz de cinema

"Gulag": minissérie documental do Canal História dá a conhecer os campos de concentração soviéticos

Publicado em 21 Nov. 2019 às 17:33, por filmSPOT, em Notícias de Televisão e Séries (Temas: Estreias)

"Gulag": minissérie documental do Canal História dá a conhecer os campos de concentração soviéticos

O canal História estreia, a 27 de novembro, pelas 22h15, "Gulag", uma minissérie em três partes incluída na programação especial do 20º aniversário do canal, onde se narra o funcionamento dos campos de concentração soviéticos desde a Revolução Russa até à era Gorbachov, passando pela guerra civil, o Grande Terror, a Segunda Guerra Mundial, a Guerra Fria e a morte de Estaline.

Através das experiências de inúmeros protagonistas, tanto carrascos como vítimas, esta série desvenda a história do Gulag com fontes documentais inéditas e a ajuda de historiadores e especialistas como Nicolas Werth.

"Gulag" tenta mostrar como e por que razão a URSS criou este sistema de campos de trabalhos forçados onde 20 milhões de prisioneiros foram barbaramente explorados.

Episódios "Gulag"

Gulag

Quarta, 27 de novembro, às 22h15

Episódio 1 - Origens

Os primeiros campos de concentração foram criados em 1918, meses depois da revolução de outubro. O novo regime bolchevique queria livrar-se dos opositores políticos e reeducar os chamados "elementos associais" através do trabalho. A primeira experiência em grande escala decorreu no arquipélago de Solovki: milhares de presos políticos e pessoas comuns, homens e mulheres, foram escravizados em condições desumanas.

Depois de morte de Lenine em 1922, Estaline sobe ao poder e ordena a rápida industrialização do país, e o aumento do ritmo de coletivização das terras, o que provocou fomes e morte. Gigantescos campos de trabalho e extermínio foram estabelecidos nas zonas mais remotas, como Kolimá, na Sibéria. A GPU, a Polícia política do estado, que tinha como missão purgar e regenerar a população, enviou centenas de milhares de russos para estes campos.

 

Quarta, 27 de novembro, às 23h10

Episódio 2 - Proliferação

Aclamado no XVII Congresso do Partido Comunista em 1934, Estaline põe em marcha os campos do canal Volga-Moscovo e manda construir uma nova via férrea transiberiana. A NKVD, que veio substituir a GPU, multiplica a criação de campos e transforma o Gulag numa verdadeira indústria. O número de presos ultrapassa o milhão em 1935.

Os julgamentos de Moscovo, a montra do Grande Terror, escondiam a repressão exercida sobre a sociedade soviética. As execuções em massa e as detenções arbitrárias multiplicavam-se. Em janeiro de 1939, no Gulag, já trabalhavam dois milhões de presos.

A 22 de junho de 1941, a Alemanha ataca a União Soviética e, um ano depois, as condições no Gulag são ainda mais deploráveis, com a fome e as doenças a arrasarem a população reclusa. Em 1945, apesar da vitória soviética sobre a Alemanha nazi, o arquipélago do Gulag, fornecedor de matérias-primas essenciais, continua a desenvolver-se.

 

Quinta, 28 de novembro, às 00h10

Episódio 3 – Apogeu e a Agonia

Os presos e a população dos novos territórios ocupados no Leste, como os Polacos, foram considerados suspeitos de sentimentos anti-soviéticos e muitos foram enviados para os campos. A situação das mulheres, que representavam uma quarta parte dos detidos, era dramática. Nos finais da década de 1940, dois milhões de prisioneiros apinhavam-se nos campos, em condições de sobrevivência extrema que, pouco a pouco, viriam a conduzir ao decréscimo da sua rentabilidade económica.

A 5 de março de 1953, com a morte de Estaline, um milhão de prisioneiros são libertados. Em 1956, Khrushchev denuncia os crimes de Estaline e provoca grande comoção por todo o país. O Gulag começa a desaparecer.

Em 1973, a publicação do ensaio "O Arquipélago Gulag" de Alexandr Solzhenitsyn, obtém repercussão internacional e derrubar o muro da indiferença. Após a queda do Comunismo, Moscovo quis virar a página na história. As marcas do Gulag começam a ser apagadas gradualmente da paisagem e da memória do povo russo.