Cartaz de cinema

Filmagens de "The Man Who Killed Don Quixote" suspensas - Terry Gilliam diz que produtor português falhou

Publicado em 30 Set. 2016 às 21:13, por , em Notícias de cinema

Filmagens de "The Man Who Killed Don Quixote" suspensas - Terry Gilliam diz que produtor português falhou

Se acreditarmos em fenómenos sobrenaturais, bem podemos afirmar que a maldição de Don Quixote continua a perseguir Terry Gilliam. O filme "The Man Who Killed Don Quixote", do antigo elemento dos  Monty Python foi adiado, mais uma vez.

Durante uma entrevista no programa de rádio de Jonathan Ross, na BBC2, Gilliam afirmou que não irá começar a filmar na data prevista, 3 de outubro. Nas palavras de Gilliam porque: "tinha um produtor, um sujeito português, que afirmou que reuniria todo o dinheiro a tempo. Há algumas semanas, provou-se que ele não tinha o dinheiro."

Apesar de tudo, Gilliam recusa-se a baixar os braços e afirma que o projeto não está morto. "Ainda morro eu antes", gracejou na mesma entrevista.

Esta é a terceira vez, desde 2000, que a produção de "The Man Who Killed Don Quixote" é interrompida. Nesse ano, quando o elenco contava com Johnny Depp e Jean Rochefort, uma série de inundações na zona de Navarra, em Espanha, a falta de dinheiro e até uma lesão de Rochefort, levaram ao encerramento da produção. Em 2015, a causa foi uma doença súbita que impossibilitou o ator John Hurt de trabalhar.

O filme, com argumento de Gilliam e Tony Grisoni, é uma adaptação livre do romance "Dom Quixote de La Mancha", do escritor espanhol Miguel de Cervantes.

Anteriormente fora anunciado que a produção teria lugar em Espanha e em Portugal, com um orçamento previsto de 16 milhões de euros. "The Man Who Killed Don Quixote" seria uma produção da Alfama Filmes, de Paulo Branco, sediada em França, com a Tornasol Filmes, de Espanha, e a Leopardo Filmes, de Portugal.

Gilliam não mencionou o nome do "sujeito português" e desconhece-se até ao momento se estaria a referir-se a Paulo Branco.

A entrevista de Terry Gilliam pode ser ouvida na íntegra no site da BBC Radio 2.