Cartaz de cinema

Faleceu António de Macedo, o "cineasta de género" português

Publicado em 5 Out. 2017 às 22:55, por , em Notícias de cinema (Temas: Obituário, Cinema Português)

Faleceu António de Macedo, o "cineasta de género" português

O realizador português tinha 86 anos e assinou filmes como "Abismos da Meia-Noite", ou "Sete Balas Para Selma".

O realizador e escritor António de Macedo morreu hoje ao início da tarde, aos 86 anos de idade, no Hospital de Santa Marta em Lisboa.

Com formação em Belas Artes, António de Macedo abandonou uma carreira em arquitectura para se dedicar à Sétima Arte. Foi um dos fundadores, em 1970, do Centro Português de Cinema, e editou "A Evolução Estética do Cinema", um dos primeiros livros sobre Teoria de Cinema em Portugal.

Cineasta intimamente ligado ao Cinema Novo, movimento surgido nos anos 60 e que revelou as carreiras de nomes como Paulo Rocha, José Fonseca e Costa, António-Pedro Vasconcelos, ou João César Monteiro, António de Macedo foi um dos poucos realizadores, em Portugal, a explorar os mecanismos narrativos e sensibilidades estéticas do chamado cinema de género.

Da sua filmografia, destacam-se as experiências do realizador no cinema vanguardista com "Domingo à Tarde" (1966), a espionagem em "Sete Balas para Selma" (1967), o western místico de "A Promessa" (1972, exibido no Festival de Cannes de 1973), o simbolismo anti-religioso no controverso "As Horas de Maria" (1976), a ficção-científica em "Os Abismos da Meia-Noite" (1984) e a fantasia medieval em "A Maldição de Marialva" (1991).

Talvez por sempre ter fugido aos motivos e temas dominantes na produção cinematográfica nacional, a carreira de António de Macedo foi tanto marcada pela censura oficial que vigorava antes do 25 de Abril de 1974, como posteriormente pela própria sociedade portuguesa. São exemplos disso os filmes "Nojo aos Cães" (1970) e, sobretudo, "As Horas de Maria", cujo teor foi considerado blasfemo por setores conservadores do país, os quais chegaram a insultar e agredir os espectadores presentes na estreia do filme, no cinema Nimas, em Lisboa.

Fruto destas polémicas, António de Macedo foi votado ao esquecimento durante largos anos, datando de 1993 o seu último filme que conheceu estreia comercial, "Chá Forte com Limão".

Homenageado pela Cinemateca Portuguesa e pelo MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror nos últimos anos, a carreira de António de Macedo tem sido alvo de redescoberta e reconhecimento. A sua vida e obra são os temas do documentário "Nos Interstícios da Realidade", de João Monteiro, que se prevê ter estreia breve em Lisboa e Porto.