Cartaz de cinema

Disney+ vs. Netflix: dia um na guerra do streaming

Publicado em 12 Nov. 2019 às 10:58, por filmSPOT, em Notícias de Televisão e Séries (Temas: Primeiro olhar)

Disney+ vs. Netflix: dia um na guerra do streaming

Milhares de horas de séries de TV e filmes, clássicos e originais, passam a constituir a arma com que a Disney pretende desafiar a Netflix numa guerra comercial de desfecho imprevisível.

À meia-noite de segunda para terça-feira, nos EUA, Canadá e Holanda, começou oficialmente a guerra do streaming, com a entrada em cena da Disney+, plataforma de streaming da Walt Disney Company com que a maior empresa de entretenimento do mundo pretende enfrentar a Netflix.

Desde este momento, os conteúdos da Disney, Pixar, Marvel, Lucasfilm e National Geographic, a que se juntam os pertencentes à recém-adquirida 20th Century Fox, estão disponíveis online. Filmes, séries, documentários, programas de entretenimento recentes e originais, e uma vasta biblioteca de clássicos.

Dos muito vistos sucessos de animação Walt Disney como "Branca de Neve e os Sete Anões", "A Bela e o Monstro", "Pinóquio", "Bambi", "Cinderela", "Peter Pan", "O Rei Leão", ou "A Pequena Sereia", a grandes sucessos recentes de bilheteira no cinema como "Vingadores", "Capitão América", "Guardiões da Galáxia", "Star Wars: O Despertar da Força", ou "Thor". Também episódios de séries que, até agora, foram exibidas no Disney Channel e Disney Junior, como "The Suite Life of Zack & Cody", "Kim Possible", "Mickey Mouse Clubhouse" e "PJ Masks"; e uma centena de filmes originais do Disney Channel incluindo "Descendants", "High School Musical" e "Camp Rock".

Do lado da Pixar, a contribuição inclui 18 longas-metragens, incluindo, entre outros, "Wall-E", "Up", "Monstros e Companhia", "Toy Story", ou "À Produra de Nemo.

Ainda os seis "Star Wars" iniciais, estreados entre 1977 e 1999, mais os filmes já produzidos na era Disney, como "Star Wars: O Despertar da Força", ou "Rogue One: Uma História Star Wars".

A 20th Century Fox, a mais recente aquisição do grupo Walt Disney, contribui com as 30 temporadas da série "The Simpsons" e com um dos filmes mais vistos de todos os tempos, "Avatar".

Do National Geographic Channel, estão disponíveis mais de 400 horas de programação, incluindo programas premiados como "Free Solo", ou "Science Fair".

Por fim, destaca-se, na imensa biblioteca do Disney+, a presença das séries de TV da Marvel, dos anos 70 até ao presente. Tudo desde os "X-Men", a "Homem-Aranha", ou aos "Runaways".

Originais Disney+ já anunciados

  • The Mandalorian (Ação e aventura; baseado na personagem do mercenário Boba Fett do universo narrativo de "Star Wars". Estreia a 1 de novembro 2019)
  • High School Musical: The Musical: The Series (Musical. Estreia a 1 de novembro 2019)
  • Diary of a Female President (comédia)
  • Star Wars: The Clone Wars (temporada 7 da série de animação)
  • The Falcon and the Winter Soldier (série de ação da Marvel)
  • Monsters at Work (série de animação baseada no universo de "Monstros e Companhia")
  • Loki (série de ação da Marvel)
  • WandaVision (série de ação da Marvel)
  • What If...? (antologia de histórias da Marvel)
  • Hawkeye (série de ação da Marvel)
  • Projeto Cassian Andor (série ainda sem título baseada na personagem do filme "Rogue One" do universo "Star Wars")
  • Big Shot (comédia dramática)
  • Lizzie McGuire (reboot)
  • Love, Simon (comédia romântica)
  • Moon Knight (série de ação da Marvel)
  • Ms. Marvel (série de ação da Marvel)
  • She-Hulk (série de ação da Marvel)
  • Projeto Obi-Wan Kenobi (série ainda sem título baseada na personagem de "Star Wars")

O que precisa de saber sobre a Disney+ e os próximos passos na guerra do streaming

  • 12 de novembro 2019: lançamento da Disney+ nos EUA, Canadá e Holanda.
  • 19 de novembro 2019: lançamento da Disney+ na Austrália, Nova Zelândia e Porto Rico.
  • 31 de março 2020: lançamento da Disney+ na Europa Ocidental. Inclui Espanha, França, Itália, Alemanha e Reino Unido bem como os restantes países da zona onde Portugal está incluído Portugal.
  • Da Disney+ fazem parte séries, filmes e programas da Disney, Pixar, Marvel, 20th Century Fox e National Geographic.
  • Estão previstas 30 séries e 15 filmes originais no primeiro ano.
  • A oferta inicial inclui 7.500 episódios e 500 filmes. O CEO da Disney estima que até 2025 a oferta suba para 10 mil episódios e 620 filme.
  • Preço nos EUA: 6,99 USD com um período experimental grátis de sete dias.
  • Projeções quanto ao número de subscritores: a Disney tem como objetivo garantir 60 a 90 milhões até ao final de 2025.
  • A Disney+ está disponível em dispositivos Amazon FireTV, FireOS, Apple iOS, Android/Chromecast, Roku, Xbox One, PS4, e nas Smart TVs LG e Samsung.
  • Proprietária da Hulu, que aposta num serviço misto, com e sem anúncios, o Disney+ optou por um serviço igual ao da Netflix, ou seja, sem publicidade.
  • A estratégia da Disney inclui transformar a Hulu numa plataforma destinada a um público mais adulto, onde inclui, por exemplo as séries do canal FX.
  • Neste momento, a concorrência da Disney+ é composta, sobretudo pela Netflix, que tem 158 milhões de subscritores em todo o mundo (60,6 milhões só nos Estados Unidos). Outras plataformas já em funcionamento incluem a Apple TV+ (desde 1 de novembro 2019, está disponível em Portugal), a Amazon Prime Video (desde 2006 sob outras designações, disponível em Portugal) e a Hulu (desde 2007, não disponível em Portugal).
  • Próximos lançamentos de plataformas de streaming incluem, em abril de 2020 a Peacock, da NBCUniversal; em maio de 2020 a HBO MAX, da WarnerMedia.