Cartaz de cinema

Campeonato do Mundo de Formula E começa este fim-de-semana na Eurosport

Publicado em 30 Nov. 2017 às 20:56, por , em Notícias de Televisão e Séries (Temas: Estreias)

Campeonato do Mundo de Formula E começa este fim-de-semana na Eurosport

Este fim-de-semana arranca em Hong Kong mais uma edição do Campeonato do Mundo de Fórmula E com o piloto português António Félix da Costa ao volante de um monolugar da MS&AD Andretti.

Este fim-de-semana começa a nova temporada do Campeonato do Mundo de Fórmula E, que poderá ser visto na totalidade no canal Eurosport. Hong Kong é o palco da primeira etapa de um Campeonato composto por 14 corridas em 11 cidades e que reúne 20 pilotos de 10 equipas, entre os quais o português António Félix da Costa (MS&AD Andretti).

Sobre as expectativas para a nova temporada, o piloto de Cascais admitiu em declarações ao Eurosport que "não vai ser um ano fácil. Aliás, vimos de um ano complicado com a Andretti. Já sabíamos que ia ser assim. Está a acontecer uma transição grande com a entrada da BMW".

Esta temporada, o envolvimento da marca germânica será um pouco maior. "Mas de facto a BMW só vai entrar em grande na próxima época" diz Félix da Costa. "Por isso, toda esta transição não está a ser fácil. Já sabia quando entrei na equipa que ia ser assim. O plano a longo prazo é muito bom e se calhar agora temos de sofrer um bocadinho".

"Se conseguirmos marcar pontos numa base regular já seria uma época positiva. Principalmente, depois da época passada em que não estivemos à altura. Não só porque o carro não era bom, mas também pelo nível em que operámos como equipa. Foi um nível fraco. Acho que nesse aspeto melhorámos bastante. Vamos ver se o carro nos ajuda e conseguimos estar mais próximo das equipas da frente", acrescentou o piloto português que fará dupla na Andretti com Kamui Kobayashi na ronda inaugural. O piloto japonês da Toyota no WEC conta com grande experiência tendo representado as equipas Toyota, Sauber e Caterham, na Fórmula 1.

Horários de transmissão da prova de Hong Kong do Campeonato do Mundo de Fórmula E

  • 2 de dezembro, sábado, 06h00 – 06h15 – Apresentação
  • 2 de dezembro, sábado, 06h15 – 07h00 – Qualificação (em diferido)
  • 2 de dezembro, sábado, 07h00 – 08h10 – 1.ª Corrida (em direto)
  • 3 de dezembro, domingo, 06h00 – 06h15 – Apresentação
  • 3 de dezembro, domingo, 06h15 – 07h00 – Qualificação (em diferido)
  • 3 de dezembro, domingo, 07h00 – 08h15 – 2.ª Corrida  (em direto)

 

Antecipação da temporada pelo comentador da Eurosport João Carlos Costa

O perito em automobilismo dos canais Eurosport espera que a quarta temporada de Formula E seja..."electrizante". Como maiores candidatos à vitória final aponta para a continuação do duelo das duas últimas épocas entre Audi Sport ABT Schaeffler (agora com o apoio total da marca alemã) e Renault e.Dams (na última época antes da Nissan substituir os parceiros franceses no mesmo grupo automóvel). No entanto, chama a atenção para a vontade de baralhar as contas que a NIO Formula E (a primeira campeã), a DS Virgin Racing e a Mahindra Racing mostraram nos testes de Inverno.

Em todo o caso, para João Carlos Costa, "com a chegada da Audi a nível oficial, juntando-se à Citroen/DS, Renault, Jaguar e Mahindra, a Fórmula E tem pela frente uma temporada charneira, um fim de ciclo".

De facto, em 2018/2019 chegam novos monolugares e termina a exclusividade dos actuais Spark. Mais importante ainda, novas motorizações irão pôr fim à necessidade de mudar de carro a meio da prova. E outras marcas vão chegar a nível oficial. A BMW já em 2018/2019, Mercedes e Porsche em 2019/2020, conferindo ainda maior importância à disciplina.

Quanto aos pilotos, João Carlos Costa acha que os dois brasileiros, Nelson Piquet Jr (campeão em 2014/2015), e Lucas di Grassi, (campeão em 2016/2017) voltam a ser candidatos.

Lucas Di Grassi vê na Audi o sinónimo de um acréscimo de competitividade no team ABT onde o "menino da casa", o alemão Daniel Abt, procura o primeiro triunfo.

Quanto a Nelson Piquet Jr. mudou de ares e deixou a NIO Formula E, onde esteve três anos, para ocupar um volante na ambiciosa Panasonic Jaguar, ao lado do neozelandês Mitch Evans, "um valor estabelecido".

O único campeão que não fala português, Sebastien Buemi, quer recuperar o ceptro conquistado na segunda temporada. O suíço segue na Renault e.Dams, tripla vencedora do campeonato de equipas. É o piloto com mais vitórias (12), pole-position (8) e voltas na liderança (374), mas terá a concorrência do colega francês Nicolas Prost.

Na NIO Formula E está o britânico Oliver Turvey, a surpresa dos testes de pré-temporada em Valência, com o melhor tempo, mas o comentador Eurosport crê que ainda lhe falta juntar consistência à rapidez se quiser lutar pelas vitórias. Ao seu lado, um dos seis estreantes, o italiano Luca Filippi.

A DS Virgin Racing, que representa a Citroen, conta com outro valor seguro da Formula E. Sam Bird só perde para Buemi e Di Grassi em temos de poles (4) e vitórias (5). O britânico acredita na fiabilidade do carro e espera ganhar alguma performance. O seu compatriota Alex Lynn assumirá a primeira temporada a tempo inteiro no carro que já foi do argentino campeão do mundo de carros de turismo, José Maria López.

"Rápidos, mas ainda com alguns problemas de fiabilidade" é o diagnóstico de João Carlos Costa em relação aos indianos da Mahindra. Não ficarão descontentes se conseguirem repetir o desempenho de 2016/2017, onde o sueco Felix Rosenqvist obteve uma vitória, três poles e cinco pódios, ficando em terceiro no campeonato. O segundo piloto continua a ser o veterano Nick Heidfled, ainda sem triunfos após 32 provas.

O restante pelotão inclui os chineses da TechCheetah, com motorização Renault, vencedores de uma corrida em 2016/2017, com o veloz francês Jean-Eric Vergne ao lado de André Lotterer, um dos ex-Porsche no Mundial de Resistência e "natural candidato a estreante do ano".

Também ex-piloto Porsche nas provas de longa duração, o suíço Neel Jani, é um dos pilotos da Dragon Racing, que deixou de contar com o apoio da marca americana de carros eléctricos, Faraday Future, e agora usa unidades motrizes Penske, depois de um ano para esquecer, onde o belga Jerome D'Ambrosio não foi além do 14º lugar, ele que tem duas vitórias e seis pódios na Fórmula E.

As posições no final do pelotão deverão ficar para a Venturi, onde pontuam o alemão Marco Engel e o suíço-italiano Edoardo Mortara, e para a MS&AD Andretti, a equipa de António Félix da Costa. A BMW surge como parceiro antes da entrada a tempo inteiro na próxima época num conjunto que se debate com falta de potência e fiabilidade. Outro problema pode ser a escolha do segundo piloto. O estreante britânico Tom Blomqvist foi anunciado nesse papel, mas na primeira jornada correrá o também debutante japonês, Kamui Kobayashi, para agradar ao patrocinador da equipa e aos responsáveis do campeonato.

Ao longo de 14 provas em 11 grandes cidades, é este o calendário da temporada 2017/2018 do Campeonato do Mundo de Formula E, com quatro estreias – Santiago do Chile, São Paulo, Roma e a grande surpresa de Zurique na que será a primeira prova automobilistica em solo suíço desde 1955:

  • 2 Dezembro 2017, Hong Kong (China)
  • 3 Dezembro 2017, Hong Kong (China)
  • 13 Janeiro 2018, Marraqueche (Marrocos)
  • 3 Fevereiro 2018, Santiago (Chile)
  • 3 Março 2018, Cidade do México (México)
  • 17 Março 2018, São Paulo (Brasil)
  • 14 Abril 2018, Roma (Itália)
  • 28 Abril 2018, Paris (França)
  • 19 Maio 2018, Berlim (Alemanha)
  • 10 Junho 2018, Zurique (Suíça)
  • 14 Julho 2018, Nova Iorque (EUA)
  • 15 Julho 2018, Nova Iorque (EUA)
  • 28 Julho 2018, Montreal (Canadá)
  • 29 Julho 2018, Montreal, (Canadá)