Cartaz de cinema

Calendário de transmissões de ciclismo em março nos canais Eurosport

Publicado em 4 Mar. 2017 às 10:00, por , em Notícias de Televisão e Séries

Calendário de transmissões de ciclismo em março nos canais Eurosport

A equipa de comentadores de ciclismo composta por Luís Piçarra, Paulo Martins, Olivier Bonamici, Gonçalo Moreira e Américo Silva não terá mãos a medir nos dois canais Eurosport ao longo de todo o mês de março, a acompanhar o variado leque de provas do início da temporada 2017.

Abaixo, fique a conhecer o calendário de transmissões.

Strade Bianche (4 de março)

As estradas de terra batida, conhecidas como "sterrato", rasgam a paisagem italiana dos arredores de Siena e fazem da "Strade Bianche" (Estrada Branca) uma das provas mais bonitas e duras do calendário. Com apenass 11 anos de vida, depressa ganhou o seu espaço, acumulou prestígio e foi atraindo as melhores equipas do mundo. Acontece no fim-de-semana anterior à Tirreno-Adriatico e faz parte das "Clássicas da Primavera".

Com partida e chegada em Siena, a "Strade Bianche" é uma clássica de 175km na qual os ciclistas terão de superar cerca de 65km de "sterrato". É considerada uma combinação entre Paris-Roubaix, devido aos setores de "pavé", e Volta a Flandres, devido às numerosas colinas ingremes. A meta fica na imponente Piazza del Campo, onde se realiza o famoso "Palio". No ano passado, o suíço Fabian Cancellara venceu pela terceira vez na carreira, estabelecendo o recorde de triunfos na competição italiana.

Paris – Nice (5 a 12 de março)

A Paris-Nice é a primeira grande prova por etapas de março. A "Corrida para o Sol", como também é conhecida, por causa do bom tempo que geralmente acompanha a passagem do pelotão do Norte para o Sul, liga as duas cidades francesas durante oito dias e um total de 1.229,5km. Este ano, a Paris-Nice cumpre a sua 75.ª edição e terá à partida 18 equipas do World Tour e 4 convidadas dos escalões inferiores. No ano passado, o britânico Geraint Thomas da Sky foi o homem no topo do pódio no Promenade des Anglais, em Nice.

Tirreno - Adriatico (8 a 14 de março)

A Tirreno-Adriatico é uma prova de estrada, por etapas, com um percurso que liga localidades do centro de Itália situadas nas costas dos mares Tirreno e Adriático, daí ser conhecida também como "A Corrida dos Dois Mares". Em sintonia com a temática, o líder da prova veste uma camisola azul e o vencedor conquista um tridente, em referência a Neptuno, Deus romano do Mar. Anualmente, o troféu é retirado do fundo do mar por mergulhadores da Guarda Costeira Italiana. Criada em 1966, realiza-se geralmente no início da temporada do circuito Europeu, sendo considerada muito importante na preparação para a "clássica" Milão – São Remo. Nos últimos anos, o triunfo tem sorrido a Alberto Contador (2014), Nairo Quintana (2015) e Greg Van Avermaet (2016).

Nokere Koerse (15 de março)

Semi-clássica de apenas um dia, realizada anualmente na região belga da Flandres. Ao longo dos anos, o domínio tem pertencido aos ciclistas belgas, com um total de 56 vitórias. Hendrik Van Dijck é o recordista de triunfos conquistando a Nokere Koerse em três ocasiões: 1996, 1997 e 2000. No ano passado, o belga Timothy Dupont foi o primeiro a cortar a meta.

Handzame Classic (17 de março, em diferido)

Inserida no calendário de provas de apenas um dia na Flandres, a Handzame Classic é uma competição que chegou a estar integrada nos Três Dias da Flandres Ocidental e só passou a ser um evento isolado a partir de 2011. No ano passado, o eslovaco Erik Baška impôs-se ao sprint cortando a meta à frente do holandês Dylan Groenewegen, segundo classificado, e do belga Gianni Mersman, campeão de 2015, terceiro classificado.

Milano-Sanremo (18 de março)

A Milão – Sanremo é uma prova de ciclismo de estrada de apenas um dia que liga as duas cidades italianas ao longo 291km. O percurso é essencialmente plano e só os "sprinters" mais resistentes vão estar em posição de discutir a vitória. É conhecida igualmente por "Clássica da Primavera" ou "Classicissima" - a "Clássica das Clássicas". Os ciclistas deixam o frio do Norte, em Milão, rumo a Sul, para a famosa cidade situada na costa da Ligúria, que acolhe o festival da canção italiana. Pelo caminho, o pelotão encontra zonas de ascensão decisivas, como Cipressa e Poggio di San Remo.

A Milão – Sanremo é o primeiro dos "Cinco Monumentos" de ciclismo da temporada, nome que recebem as mais importantes "clássicas" de um dia da modalidade devido à sua grande história e prestígio. Os outros "Monumentos" são a Volta a Flandres, a Paris-Roubaix, Liège-Bastogne-Liège e a Volta à Lombardia.

Volta à Catalunha (20 a 26 de março)

Criada em 1911, a Volta à Catalunha é uma das competições por etapas mais antigas da história, depois das Voltas a França, Bélgica e Itália. Inserida no calendário do World Tour desde 2005, está entre as 25 provas mais importantes do mundo. Algumas das melhores equipas do circuito marcam presença nesta prova com sete etapas. Para esta 97.ª edição, estão confirmados os nomes de Alberto Contador, Christopher Froome e Pierre Rolland, entre outros. No ano passado, venceu o colombiano Nairo Quintana, na frente de Alberto Contador e Daniel Martin.

Dwars door Vlaanderen (22 de março)

Dwars door Vlaanderen (Através da Flandres) é uma "semi-clássica" belga de um dia realizada anualmente desde 1945. É a primeira das provas da "Semana Flamenga de Ciclismo", que compreende ainda a E3 Harelbeke, Gent-Wevelgem, Três Dias de De Panne (ou La Panne) e a Volta à Flandres. A partida acontece na localidade de Roeselare e, cerca de 130 kms mais à frente, em Waregem, está situada a meta. Pelo meio, o pelotão enfrenta um percurso muito duro, com vários setores de empedrado. No ano passado, o homem da casa, Jens Debusschere, foi o primeiro a cortar a meta.

E3 Harelbeck (24 de março)

Com uma extensão de pouco mais de 200 kms, a E3 Harelbeck é conhecida também como "A Pequena Volta à Flandres". Tem partida e chegada em Harelbeck. Pelo meio os ciclistas encontram uma dúzia de "muros", nome dado às curtas mas duras rampas que se encontram na região de Flandres. Entre eles, destaque para o Patenberg, uma subida em empedrado de apenas 300 metros, mas com inclinações de 12,5%, o Oude Kwaremont, uma colina de 2.200 metros, dos quais 1.500 são em empedrado e com uma inclinação média de 4,2%.

Gent – Wevelgen (26 de março)

A "Semana Flamenga" continua com a realização da Gent – Wevelgen, prova de um dia, criada em 1934, e que liga as duas localidades belgas num percurso de cerca de 240 kms. Os principais obstáculos na prova são o vento, a chuva e os "muros", dos quais se destacam o Baneberg, o Monteberg e o Kemmelberg, este último uma subida de um quilómetro, em empedrado, com uma brutal inclinação máxima de 23%. No entanto, o perfil da corrida adequa-se mais aos sprinters, que têm dominado o palmarés da prova.

Driedaagse van De Panne – Koksijde (28 a 30 de março)

A prova belga que se realiza nos últimos dias de março faz parte da "Semana Flamenga de Ciclismo". Composta por quatro etapas, duas das quais cumpridas no último dia, esta é uma das corridas mais curtas, mas de maior prestígio, no arranque da temporada internacional, juntamente com os Quatro Dias de Dunkerque e o Critérium Internacional.