Cartaz de cinema

"Bacurau": o que se escreve em Cannes sobre o western tropical de Kleber Mendonça Filho

Publicado em 18 Mai. 2019 às 20:15, por , em Notícias de cinema (Temas: Cinema da América-Latina, Festivais de cinema)

"Bacurau": o que se escreve em Cannes sobre o western tropical de Kleber Mendonça Filho

Depois do sucesso crítico de "Aquarius", em 2016, o realizador Kleber Mendonça Filho volta a reunir-se com Sónia Braga em "Bacurau", filme da Competição Oficial que dominou o segundo dia do Festival de Cannes 2019.

Centrado numa pequena e fictícia cidade do sertão brasileiro que dá título ao filme, "Bacurau" apresenta-se, pelas críticas - bastante positivas - que têm sido divulgadas, como um "western tropical" situado num futuro próximo que, inevitavelmente, aborda as profundas incertezas sociais do Brasil contemporâneo.

Peter Debruge, para a Variety, realça "a aptidão de composição e para a criação de atmosfera" de Kleber Mendonça Filho, enquanto que Wendy Ide, no Screen Daily, destaca um argumento que evidencia "a colonização económica do Brasil pelos Estados Unidos e pela Europa" misturando "o comentário sócio-político com influências de géneros" como o western e, sobretudo, dos filmes brasileiros das décadas de 50 e 60 inspirados no fenómeno de banditismo que ficou para a história como o Canganço.

David Ehrlich, no IndieWire, compara o filme ao clássico "Os Sete Samurais" e reforça as intenções sociais de "Bacurau", destacando o "sensacional" desempenho de Sónia Braga no seio de um "western fabuloso e demente sobre os perigos da modernização sem regras".

Para a Globo, Carlos Helí de Almeida interpreta o filme como "um símbolo de resiliência" que "combina elementos de fantasia, ficção científica e terror gore – e onde nem tudo parece ser o que é".

Trailer "Bacurau"

Com Sónia Braga, Udo Kier (Pequena Grande Vida) e Jonny Mars (A Ghost Story) nos principais papéis, "Bacurau" ainda não tem data de estreia definida para Portugal.