Cartaz de cinema

Amazon aposta milhões na série inspirada em "O Senhor dos Anéis"

Publicado em 16 Jan. 2020 às 20:14, por filmSPOT, em Notícias de Televisão e Séries (Temas: Primeiro olhar, Elenco)

Amazon aposta milhões na série inspirada em "O Senhor dos Anéis"

Já está a decorrer a produção de uma das maiores apostas de sempre da Amazon, uma série inspirada nos livros de J.R.R. Tolkien "O Senhor dos Anéis" que se destina à plataforma de streaming, Amazon Prime Video.

Ao contrário dos filmes de Peter Jackson, a base para a história não virá da trilogia sobre a viagem de Frodo e dos seus companheiros até Mordor a fim de destruírem o anel, nem das aventuras de Bilbo Baggins que a tudo deram origem. Tudo aponta para que se debruce sobre o que aconteceu milhares de anos antes, durante a Segunda Era da Terra Média (também conhecida como Era de Númenor), precisamente a época em que os Anéis do Poder foram forjados.

Durante a TCA Press Tour de inverno, o encontro regular de representantes dos estúdios e canais de televisão com a imprensa norte-americana, a Amazon apresentou os primeiros nomes oficiais do elenco: Robert Aramayo (foi o jovem Ned Stark em "Game of Thrones"), Owain Arthur, Nazanin Boniadi, Tom Budge, Morfydd Clark (ao que se sabe irá interpretar uma jovem Galadriel, papel que foi de Cate Blanchett nos filmes), Ismael Cruz Córdova, Ema Horvath, Markella Kavenagh, Joseph Mawle (foi Benjen Stark, irmão de Ned, em "Game of Thrones"), Tyroe Muhafidin, Sophia Nomvete, Megan Richards, Dylan Smith, Charlie Vickers e Daniel Weyman.

As filmagens estão previstas para começar em fevereiro na... Nova Zelândia! O mesmo local onde Peter Jackson rodou os seus quatro filmes.

As caras do elenco da série "O Senhor dos Anéis"

Lord of The Rings

Os valores envolvidos são de deixar a cabeça à roda. A Amazon envolveu-se numa guerra com a Netflix pelos direitos das obras e, em 2017, acabou por pagar 250 milhões de dólares só pelo privilégio de poder usar parte do universo imaginado por Tolkien. Sim, porque a ação da série não poderá sair da Segunda Era - ou seja, um período de 3.441 anos (sim, o escritor definiu tudo com este nível de detalhe). O que também significa que não poderão sequer aproximar-se dos eventos retratados nos filmes, nem criar histórias que alterem o que Tolkien escreveu. E isto é apenas o topo do icebergue, pois em alguma imprensa especulou-se que os valores totais de produção da série poderão rondar os mil milhões de dólares.

Do contrato assinado com os representantes do legado do escritor consta a obrigatoriedade de produzir pelo menos cinco temporadas e a hipótese de criação de spinoffs a partir da série mãe.

Já a escolha do par de showrunners que irá chefiar os argumentistas parece lembrar problemas deoutra série passada num mundo de fantasia com dragões e cavaleiros... (sim estamos a falar de "Game of Thrones").

J.D. Payne e Patrick McKay escrevem juntos há muito tempo, mas têm pouca experiência. Trabalharam com J.J. Abrams (que terá recomendado os seus nomes), mas até ao momento os seus únicos trabalhos que chegaram à fase de produção foram os argumentos da próxima sequela de "Star Trek" e de "Jungle Cruise", o filme com Dwayne Johnson baseado numa conhecida atração dos parques da Disney.

Maior conforto dá o facto de a realização dos dois primeiros episódios ficar a cargo de Juan António Bayona (realizou "Mundo Jurássico: Reino Caído" e "O Impossível") que também será um dos produtores executivos.