Cartaz de cinema

20 filmes para ver no IndieLisboa 2019

Publicado em 27 Abr. 2019 às 21:42, por , em Notícias de cinema (Temas: Festivais de cinema)

20 filmes para ver no IndieLisboa 2019

No momento em que já é conhecida a programação completa do IndieLisboa 2019, assim como o calendário das sessões que se realizarão de 2 a 12 de maio, o Festival prepara-se para comemorar a sua 16ª edição com a vontade de continuar a qualidade de programação que o certame tem habituado os seus espectadores, sobretudo depois de, em 2018, ter registado a segunda maior audiência de sempre na sua história.

Durante os 11 dias do IndieLisboa 2019, em sessões divididas pelos auditórios da Culturgest, Cinema São Jorge, Cinema Ideal e a Cinemateca Portuguesa, o filmSPOT estudou a programação do Festival e propõe 20 títulos a não perder.

"The Beach Bum" (Harmony Korine) – Sessão de Abertura

The Beach Bum

Inspirado pelo consumo contínuo de canábis e rum, Moondog (Matthew McConaughey) é um esdrúxulo e milionário escritor alucinado. Algures entre o The Dude do "O Grande Lebowski" e a figura de Charles Bukowski, vagueia pelas praias quentes da Califórnia com a sua cabeleira loura, as camisas havaianas e uma máquina de escrever, vivendo ao máximo para depois destilar essa experiência num soneto.

"Jessica Forever" (Caroline Poggi e Jonathan Vinel) – Competição Internacional

Jessica Forever

Num futuro distópico, jovens sanguinários formam uma família matriarcal revestida a coletes antibala e amor. A primeira longa-metragem da dupla Vinel & Poggi, é um dos títulos mais recentes inseridos no manifesto 'Flamme', publicado na revista Cahiers du cinèma e que defende "um cinema para sonhadores que suam, monstros que choram e crianças que ardem".

"Present.Perfect." (Shengze Zhu) – Competição Internacional

Present.Perfect.

Um retrato da China contemporânea, a partir da experiência de pessoas solitárias que encontram na câmara do telemóvel uma forma de contacto humano, num documentário composto por mais de 800 horas de material de pessoas que partilharam a sua vida via live streaming.

"Temporada" (André Novais Oliveira) – Competição Internacional

Temporada

Juliana acaba de chegar a Belo Horizonte para integrar uma equipa de combate ao mosquito da dengue. Enquanto espera que o marido se junte a ela na nova cidade, Juliana conhece pessoas e faz amigos. Estreado no Festival de Locarno, o filme foi o grande vencedor do Festival de Brasília.

"A Minha Avó Trelotótó" (Catarina Ruivo) – Competição Nacional

A Minha Avó Trelotótó

A realizadora Catarina Ruivo faz uma das mais belas homenagens que se pode fazer a uma avó. Quando ela morreu, filmá-la foi uma forma de a salvar. Mas como filmar uma ausência? Este é um filme feito de muitos tempos e registos que constroem um universo onde cartas, fotografias, memórias e os vídeos de telemóvel dão corpo a um fantasma doce.

"Campo" (Tiago Hespanha) – Competição Nacional

Campo

Nos arredores de Lisboa, fica a maior base militar da Europa. Ali, inventam-se missões fictícias, enquanto astrónomos observam estrelas e um rapaz toca piano para veados que espreitam os homens à noite. Tiago Hespanha reflecte sobre o físico e humano, o transcendente e mundano, que aqui se confundem e completam.

"Tristeza e Alegria na Vida das Girafas" (Tiago Guedes) – Competição Nacional

Tristeza e Alegria na Vida das Girafas

Baseado na peça homónima de Tiago Rodrigues, "Tristeza e Alegria na Vida das Girafas" acompanha a aventura de uma menina e o seu urso de peluche suicida, chamado Judy Garland, em busca do perdido Discovery Channel. Lisboa é um território mágico, mas onde a crise espreita a cada encontro, e há que saber fugir das panteras negras e pedir ajuda ao primeiro ministro.

"I Do Not Care If We Go Down in History as Barbarians" (Radu Jude) – Secção Silvestre

I Do Not Care If We Go Down in History as Barbarians

Uma investigação provocadora, didática, inventiva e altamente inteligente sobre a participação da Roménia na limpeza étnica do Terceiro Reich, aquando do massacre de Odessa, em 1941. O novo filme de Radu Jude, cineasta premiado pelo IndieLisboa, em 2015, com "Aferim!".

"Burning" (Lee Chang Dong) – Secção Silvestre

Burning

Segundo o próprio realizador, este é um filme sobre a raiva das gerações mais novas, da sua sensação de impotência e de como têm consciência de que as suas vidas serão piores que a dos seus pais. "Burning" recebeu o Prémio da Crítica no Festival de Cannes.

"3 Faces" (Jafar Panahi) – Secção Silvestre

3 Faces

O mais recente filme "ilegal" de Jafar Panahi, cineasta iraniano condenado a uma proibição de filmar durante 20 anos pelo Tribunal Revolucionário Islâmico do Irão, "3 Faces" apresenta-nos três mulheres de três gerações, três actrizes a interpretarem actrizes e um vídeo dentro de um filme dentro de outro, com Panahi a fazer de si mesmo.

"Entre dos aguas" (Isaki Lacuesta) – Secção Silvestre

Entre dos Aguas

12 anos depois de "La leyenda del tiempo", retomamos o percurso de dois jovens irmãos ciganos, cada um com caminhos muito distintos: Isra acaba de sair da prisão e tenta sobreviver vendendo sucata e amêijoas, já Cheito, na marinha, hesita sobre uma missão perigosa que o afastará da família mas compensará financeiramente. Melhor Filme no Festival de San Sebastian, assinala o regresso de Isaki Lacuesta, uma das figuras de maior relevo do cinema espanhol da atualidade.

"Ich war zuhause, aber" (Angela Schanelec) – Secção Silvestre

Ich war zuhause, aber

Um rapaz de 13 anos desaparece durante uma semana, para reaparecer misteriosamente. Esse regresso deixa em suspenso a sua mãe e os seus professores, assim como o filme, que paira de personagem em personagem. Vencedor do prémio de Melhor Realização no Festival de Berlim.

"Be Natural: The Untold Story Of Alice Guy-Blaché" (Pamela B. Green) – Secção Director's Cut

Be Natural: The Untold Story Of Alice Guy-Blaché

A pioneira Alice Guy-Blaché foi uma das primeiras realizadoras da História, mas a sua própria história continua a ser mal conhecida. Pamela B. Green traça o percurso ímpar de Guy-Blaché, em França e nos Estados Unidos, a partir de uma investigação documental que mostra material de arquivo dos filmes da realizadora.

"Nice Girls Don't Stay for Breakfast" (Bruce Weber) – Secção Director's Cut

Nice Girls Don't Stay for Breakfast

Retrato filmado de Robert Mitchum por Bruce Weber, o conhecido fotógrafo americano que filmou o actor em finais dos anos 1990, em encontros com amigos, saídas nocturnas, a cantar e a gravar canções para um disco que não chegou a acontecer.

"Ama Romanta – Uma Utopia que Fazia Discos" (Vasco Bação) – Secção IndieMusic

Ama Romanta

Na segunda metade dos anos 1980, a Ama Romanta, editora de João Peste (o carismático vocalista dos Pop Dell'Arte), era a alternativa no mundo da música portuguesa. Criada com o objectivo de lutar contra a censura camuflada de rádios e editoras, eram um movimento "de vanguarda face a um mercado discográfico atrofiado pela miopia cultural e pela obsessiva maximização fácil do lucro."

"Miles Davis: Birth Of the Cool" (Stanley Nelson) – Secção IndieMusic

Miles Davis: Birth Of the Cool

Filme composto por imagens inéditas, outtakes de estúdio e fotos raras, "Miles Davis: Birth Of the Cool" recorda Miles Davis, um artista que rompeu convenções, desrespeitava tradições, mas a sua visão, os seus implacáveis impulsos e sua constante sede de novas experiências fizeram dele uma inspiração para músicos e um ícone cultural para gerações de ouvintes.

"Um Punk Chamado Ribas" (Paulo Miguel Antunes) – Secção IndieMusic

Um Punk Chamado Ribas

João Ribas, nome incontornável da música nacional e um dos principais impulsionadores do punk no nosso país, esteve na origem de várias bandas importantes, como os Ku de Judas, os Censurados e os Tara Perdida, e influenciou várias gerações de jovens músicos, rejeitando sempre a ideia de ser um ícone da música.

"In Fabric" (Peter Strickland) – Secção Boca do Inferno

In Fabric

A história de um vestido amaldiçoado, que vai passando de mão em mão, e dos efeitos devastadores para os seus sucessivos detentores. Um filme que mistura violência coreografada e humor negro num universo densamente povoado pelo melhor do terror italiano dos anos 1960 e 1970.

"Hotel Império" (Ivo M. Ferreira) – Sessão Especial

Hotel Império

Uma família portuguesa a viver em Macau luta contra a especulação imobiliária para poder permanecer no edifício onde sempre vivera. Uma revisitação do colonialismo português e da força imparável da gentrificação segundo o sombrio prisma do thriller sexual.

"Synonymes" (Nadav Lapid) – Sessão Especial

Synonymes

O realizador Nadav Lapid baseou-se nas suas memórias e experiências de quando tinha 20 anos e fugiu de Israel para se exilar em França. A pergunta que se impôs neste filme autobiográfico foi: "como deixar para trás o passado, uma identidade nacional e uma língua?" Vencedor do Urso de Ouro (Melhor Filme) e do Prémio da Crítica na última edição do Festival de Berlim.

O programa completo e os horários das sessões da 16ª edição do IndieLisboa, incluindo atividades paralelas, debates e do IndieJúnior (secção dedicada aos públicos mais novos), podem ser consultados no site do Festival.